Consumidores recuperam o espírito das festividades e vão gastar mais este ano, indica o novo estudo da Accenture

  • O 15º  Holiday Shopping Survey da Accenture mostra que as gerações mais jovens provavelmente são as que mais gastam, priorizando tempo e dinheiro para experiências partilhadas.         
  • 70% dos consumidores indicam que pretendem fazer doações.
Lisboa, 25 de novembro de 2021 - Os consumidores, de acordo com os resultados do 15º Holiday Shopping Survey da Accenture, estão ansiosos pelo início do período festivo e planeiam gastar este ano mais do que tinham despendido em 2020 nas compras de fim de ano e apoiar organizações de caridade e comunidades locais.

As compras devem aumentar este ano, com os consumidores a planearem gastar em média €529 nesta temporada, em comparação com os €477 do ano passado. A maioria (71%) afirma que pretende gastar tanto ou mais do que no ano passado. Os millennials entre os 32 e 39 anos, que preveem gastar em média €624, apresentam o valor mais elevado entre qualquer faixa etária.
O estudo da Accenture, que incluiu mais de 1.500 consumidores, indica que 76% estão ansiosos para, nesta época festiva, passar tempo com a família; 75% planeiam comprar presentes para familiares próximos e 41% a comprar presentes para vizinhos, colegas e amigos. Esta ‘generosidade de espírito’ vai provavelmente estender-se a outros níveis, já que 70% pretendem, este ano, fazer contribuições para obras de caridade, e 21% pretendem doar mais do que no ano passado. Este número que sobe para 32% na geração Z e 28% dos jovens da geração millennial (idades entre 24-31).

A pesquisa destaca também este desejo contínuo de apoiar as comunidades locais, com 58% dos consumidores a revelarem a intenção de comprar no comércio local e a retalhistas independentes.
Embora o aumento previsto nos gastos do consumidor seja uma boa notícia para os retalhistas, o nosso relatório indica que os eventos do ano passado, provavelmente, afetarão os hábitos de consumo de diferentes gerações neste período festivo”, afirma Manuela Vaz, vice-presidente da Accenture Portugal, responsável pelas áreas de Retalho e Bens de Consumo. “Os retalhistas não se podem esquecer de cumprir os protocolos de segurança em vigor e de acompanhar as necessidades e gostos de compras em cada uma das comunidades em que estão inseridos. Isso requer maior tomada de decisão local, auxiliada por ferramentas de análise, para detetar, à medida que vão acontecendo, as mudanças das condições de mercado e a evolução dos padrões de consumo.

O regresso às compras em loja – uma escolha popular entre os nativos digitais – Geração Z

Apesar da pandemia, as compras em loja parecem voltar a ser ‘confortáveis’. Mais de metade (54%) das pessoas em geral – e 70% dos consumidores da Geração Z – planeiam fazer a maior parte das suas compras de Natal em loja, enquanto, surpreendentemente, 54% dos baby boomers preveem fazer a maior parte das compras online.
Além disso, 25% dos consumidores em geral – e 42% dos millennials mais jovens – indicam que experiências partilhadas, como aulas de culinária, cânticos natalícios ou atividades para as crianças, podem incentivá-los a escolher uma loja em detrimento de outras.
Os eventos do ano passado comprimiram, em algumas semanas, as mudanças que provavelmente teriam levado anos. Por exemplo, a pandemia forçou as gerações mais velhas a superar a sua hesitação em fazer compras online, uma tendência continuamente identificada pelos nossos estudos. Por outro lado, os consumidores mais jovens – que já se sentem confortáveis ​​online – parecem procurar serviços e experiências que vão além da compra”, indica Manuela Vaz. “Os retalhistas e as empresas de bens de consumo devem aproveitar estas mudanças comportamentais e avançar com uma reinvenção, para se envolverem com um mercado diversificado e multigeracional de milhões de pessoas”.

Comprar cedo, antes que seja tarde demais
A pandemia, juntamente com as questões de abastecimento e transporte, preocupam um terço (34%) dos consumidores, que pretendem fazer antecipar as compras, pois receiam não conseguir comprar o que precisam a tempo da época festiva. Além disso, a Black Friday e a Cyber ​​Monday continuam a perder o seu interesse, desafiando os retalhistas e as marcas a terem uma visão de longo prazo desta temporada.


O declínio da popularidade da Black Friday, juntamente com o facto de que os consumidores começam cada vez mais cedo as suas compras de Natal, significa que os retalhistas e as marcas precisam de conseguir envolver os consumidores durante este período”, disse Manuela Vaz. “Além disso, com muitas pessoas ainda a trabalhar em casa, a capacidade de pesquisar, a maior facilidade em escolher os produtos e fazer compras online, torna tudo mais fácil para os consumidores – e torna-se muito mais difícil para os retalhistas. Este ano, mais do que nunca, controlar o stock e ter garantia do abastecimento será tão importante para o consumidor quanto para o retalhista”.


Tempo e dinheiro para experiências, uma prioridade para os consumidores
Os consumidores vão redirecionar parte dos seus gastos em ofertas materiais para experiências e serviços, mas isso é mais pronunciado entre as gerações mais jovens, que são mais propensas a viajar, socializar durante o período de festas, e também a procurar e oferecer experiências.

Sabemos que a Geração Z e os Millennials têm um maior poder de compra, e isso, representa uma grande oportunidade para as empresas de consumo que os servem”, disse Manuela Vaz, vice-presidente da Accenture Portugal, responsável pelas áreas de Retalho e Bens de Consumo. “As empresas devem aproveitar o desejo dos consumidores mais jovens de partilhar experiências, mas também não se esquecer as suas crescentes prioridades, onde se incluem saúde e segurança, oferecendo-lhes uma experiência de compra com foco na facilidade e conveniência.”

Para obter mais informações sobre as tendências de compras na época festiva, clique aqui.

Sobre o estudo
O 15º Annual Holiday Shopping Survey da Accenture fornece informações sobre os padrões de compra do consumidor durante este período de fim de ano, e fornece uma indicação das expectativas de desempenho do retalho de rua e online, num momento que é de grande importância para o setor. Este ano, a Accenture inquiriu online uma amostra representativa de consumidores, sendo que todos tinham feito uma compra online ou numa loja de um produto para uso pessoal nos seis meses anteriores. Os entrevistados foram divididos entre géneros e grupos etários, com 14% de cada um da Geração Zers (com idades entre 18-24), 13% da geração Y, mais jovem (25-31), 14% da geração Y, mais velha (32-39), 22% da Geração X (40 -55), 21% baby boomers (56-69) e 16% com mais de 70 anos. O estudo foi realizado em agosto de 2021.

Sobre a Accenture
Accenture é uma organização global de serviços profissionais, líder em capacidades digitais, cloud e security. Combinando uma experiência sem paralelo com uma forte especialização em mais de 40 setores de atividade, oferece uma ampla gama de serviços em estratégia e consultoria, interactive, tecnologia e operações, suportada pela maior rede mundial de centros de tecnologias avançadas e operações inteligentes. Os 624 mil profissionais da Accenture cumprem a promessa da tecnologia e da criatividade humana todos os dias ao servir clientes em mais de 120 países, utilizando o poder da mudança para criar valor e partilhar sucesso com clientes, colaboradores, acionistas, parceiros e sociedade. Visite-nos em www.accenture.pt/  

Contacto:
Alexandre Vieira
alexandre.a.vieira@accenture.com