80% dos bancos planeiam ou já estão a migrar rapidamente os mainframes para a cloud

A migração de mainframe é uma etapa importante da transformação digital para superar os desafios da retenção de talento e do crescente risco operacional.

Lisboa, 20 de julho de 2022: Os bancos estão a reduzir a sua longa dependência de tecnologias de legacy mainframes e a planear mover uma parte significativa das suas funções core de negócio para a cloud para lançar novos produtos mais rapidamente e manter-se competitivos, de acordo com um novo estudo da Accenture.
 

Intitulado The great cloud mainframe migration: what banks need to know,  o estudo é baseado numa investigação global com 150 executivos bancários cujas instituições estão a planear ou já começaram a migrar os seus mainframes para a cloud.
 

O estudo mostrou que cerca de quatro em cada cinco inquiridos (82%) planeiam mover mais de metade dos workloads para a cloud – incluindo quase um em cada quatro (22%) que pretende mover mais de três quartos.
 

A maior parte dos bancos começou a migrar determinadas aplicações para a cloud, mas ainda conta com a tecnologia de mainframe para a maioria das funções core do negócio, incluindo registos de clientes, pagamentos, investimentos, risco e compliance.
 

Embora muitos bancos tenham adotado a cloud para sistemas voltados para o cliente, como serviços bancários mobile e online e ferramentas para colaboradores, como email e videoconferência, ainda contam com a tecnologia de mainframe mais antiga para as funções core do negócio”, afirmou Luís Pedro Duarte, Vice-presidente, responsável pela área de Serviços Financeiros da Accenture em Portugal. “Avançaram até onde puderam e estão na mesa necessidades de transformação importantes para atacar e um agudizar da capacidade de atrair talento que não vê carreira em tecnologias com mais de 30 anos. Perante o aumento das taxas de juros, da concorrência das fintechs e do aumento da concorrência em produtos e canais digitais, os bancos precisam da cloud para os ajudar a impulsionar rapidamente a inovação de produtos e serviços bancáriosApenas lá vão encontrar evolução tecnológica para os desafogar das amarras que os limitam hoje.
 

O estudo observa que estes bancos veem fortes argumentos para a migração de mainframe, como a velocidade e agilidade; a segurança; e a capacidade de escalar recursos (referido por 43%, 41% e 37% dos inquiridos, respetivamente).
 

Entre os principais desafios ou barreiras relacionados com a migração de mainframe para a cloud estão o risco de disrupção dos negócios; falta de conhecimento sobre como o código funciona; a capacidade de atrair e reter o talento tecnológico certo; e a  regulação de riscos de segurança e compliance.
 

Os bancos são bons a recrutar e investir em jovens talentos, mas a retenção é um desafio”, disse Luís Pedro Duarte. “Os bancos de sucesso estão a reformular as suas culturas ao criar roadmaps para as skills que precisam no futuro, desenvolver estratégias para contratar novas pools de talento e requalificar a sua força de trabalho. Alguns também estão a aumentar drasticamente o uso de pools de talento externas e a adotar forças de trabalho remotas e híbridas. Enfrentar os desafios de talento será crucial para os bancos alcançarem as suas metas de migração de mainframe nos próximos anos.”

Algumas conclusões importantes:

  • Os bancos veem a cloud como uma oportunidade de eficiência à medida que os custos de mainframe aumentam. A grande maioria (91%) dos bancos inquiridos ​​afirmou que o custo de manutenção de mainframes aumentou nos últimos anos.

  • As necessidades de talento são específicas. Os executivos bancários inquiridos ​​veem a maior procura por skills de cibersegurança (47%) e de soluções de cloud (46%), incluindo a capacidade de projetar infraestruturas virtuais baseadas em cloud, plataformas e aplicações com vista à velocidade e agilidade.

  • A maioria dos legacy mainframes tem entre cinco e 20 anos. 58% dos entrevistados disseram que os seus sistemas de mainframe têm entre 5 a 10 anos; 27% têm 11-20 anos; e 9% têm 21-30 anos.

  • A cloud pública é a opção preferida para migração do sistema core. Quase dois terços (63%) dos bancos planeiam migrar o seu volume de trabalho de mainframe para ambientes de cloud pública.
     

Sobre o Estudo

O estudo intitulado “The great cloud mainframe migration: what banks need to know,” é o quarto volume da série Banking Cloud Altimeter da Accenture. É baseado numa investigação com 150 executivos de TI e inovação que representam bancos em 16 países e cinco continentes. Estes bancos, todos com mais de US$ 100 mil milhões em ativos (33% têm mais de US$ 1 bilião em ativos; 33% têm entre US$ 500 mil milhões e US$ 1 bilião em ativos; e 33% têm entre US$ 100 mil milhões e US$ 500 mil milhões em ativos), planeiam ou já estão em processo de migração das suas funções core para a cloud. Os países representados incluem Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, México, Arábia Saudita, Singapura, Espanha, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos. O estudo foi feito online em dezembro de 2021.

Sobre a Accenture

Accenture é uma organização global de serviços profissionais, líder em capacidades digitais, cloud e security. Combinando uma experiência sem paralelo com uma forte especialização em mais de 40 setores de atividade, oferece uma ampla gama de serviços em estratégia e consultoria, tecnologia, operações e a Accenture Song, suportada pela maior rede mundial de centros de tecnologias avançadas e operações inteligentes. Os 710 mil profissionais da Accenture cumprem a promessa da tecnologia e da criatividade humana todos os dias ao servir clientes em mais de 120 países, utilizando o poder da mudança para criar valor e partilhar sucesso com clientes, colaboradores, acionistas, parceiros e sociedade. Visite-nos em www.accenture.pt

Contacto:
Alexandre Vieira
alexandre.a.vieira@accenture.com